Sábado, 22 de Setembro de 2018 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Pesquisa discute violência e assédio contra mulheres que trabalham em veículos de comunicação brasileiros
Ruam Oliveira | OBORÉ
  07/03/2018

Mulheres no Jornalismo. Abraji e Gênero e Número. Reprodução.A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Gênero e Número – agência especializada em jornalismo de dados – divulgaram resultado de pesquisa que investiga a presença de aspectos sexistas nas redações e veículos de comunicação brasileiros. Realizada ao longo de dois meses a pesquisa contou com a participação de 42 jornalistas e cerca de 500 profissionais de redação.

Com o intuito de identificar a realidade vivida por mulheres no jornalismo, tipos de violência e assédio, a partir da observação das relações de gênero nas redações, a iniciativa foi promovida em quatro grupos focais: Porto Alegre, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. A primeira etapa, qualitativa, foi seguida de pesquisa quantitativa online entre os dias 26 de junho e 28 de agosto de 2017, obtendo 477 respostas de profissionais de 271 veículos.

86% das mulheres entrevistadas relataram ter vivenciado algum tipo de discriminação de gênero no trabalho referentes a demissão, contratação, promoção, oportunidade de crescimento profissional, na definição de salários ou até mesmo na distribuição de tarefas. A pesquisa também apontou que 64% das respondentes que já sofreram abuso de poder ou autoridade de fontes ou chefes, 83,6% já sofreram algum tipo de violência psicológica e 65,7% relataram ter tido sua competência questionada.

O site oficial da pesquisa apresenta recomendações para acelerar o processo de transição para um ambiente mais igualitário entre os gêneros. Entre elas está a proposição de que os veículos criem cartilhas para funcionários e colaboradores definindo o assédio cometido por uma fonte e indicando qual procedimento deve ser realizado pelas profissionais que forem vítimas desses atos. Há também a sugestão da criação de um canal de comunicação interna onde seja possível relatar formalmente situações de abuso e assédio.

Acesse o site da pesquisawww.mulheresnojornalismo.org.br
C
onfira o relatório oficial

Siga a OBORÉ nas Redes Sociais
Facebook: OBORÉ Projetos Especiais 
Twitter: www.twitter.com/reporterfuturo
Instagram: www.instagram.com/_obore 
 

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online